domingo, 24 de fevereiro de 2013

O Mundo Tifoniano de Kenneth Grant

Uma Entrevista com Michael Staley













Não há ninguém que trabalhe com o oculto com conotações mais estranhas que Kenneth Grant. Há décadas, no entanto, o famoso escritor britânico e discípulo de Aleister Crowley, têm vida solitária, longe dos holofotes.
Então, tentando entrar em contato com ele, me encontrei com seu braço direito e agora líder da Ordem Tifoniana, Michael Staley. O diálogo que se seguiu entre nós foi muito interessante, porque, pela primeira vez, uma revista grega teve acesso às profundezas da Tradição Tifoniana...

George Ioannidis  


Sr. Staley, em primeiro lugar você poderia nos contar brevemente como você chegou ao ocultismo? O que exatamente o atraiu para este campo?
O mais longe que posso me lembrar na minha infância, é que sempre fui interessado em fantasmas e similares. Quando entrei em minha adolescência, instalou-se um interesse em Espiritualismo, pelo ocultismo e misticismo oriental, especialmente o Budismo. Lembro-me de ser fascinado por Lobsang Rampa na época. Na década de 1960 eu me tornei cada vez mais consciente do nome de Aleister Crowley. Logo depois que houve uma explosão de interesse em Crowley com os hippies e a psicodelia. No início de 1970 me deparei com a obra de Kenneth Grant, e tornei-me extremamente interessado nela, a ponto de ingressar na O.T.O. Tifoniana. Embora eu me dedicasse ao trabalho de Kenneth Grant, foi somente alguns anos antes que começasse a entender o impulso do mesmo, um processo de assimilação auxiliado pelo meu trabalho mágico e místico, e por tornar-me editor de Grant em 1990.
Foi Kenneth Grant que me incentivou a lançar uma revista, Starfire, a primeira edição da qual foi publicada em 1986. Isto se transformou na Starfire Publishing, que é agora a minha ferramenta principal na propagação da Gnose Tifoniana.
Desde o início de 1990 eu tenho estado cada vez mais interessado ​​no trabalho de Austin Osman Spare  ̶  tanto a arte como a escrita.


Quando você encontrou Kenneth Grant pela primeira vez? Qual foi a sua impressão?
Meu prazo Probatório para a entrada na Ordem Tifoniana foi concluído com êxito em janeiro de 1976, enquanto eu estava vivendo em um kibutz israelense. Em 1978 eu finalmente voltei de Israel, e encontrei Kenneth Grant pela primeira vez pouco depois. Naquela época, ele estava encontrando novos participantes para a Ordem como uma questão natural. Minhas impressões iniciais foram muito favoráveis​​, ele surgiu como um intenso, articulado, inteligente e muito empenhado Thelemita. No início de 1980 me tornei seu braço-direito na Ordem, uma posição que tem sido um trabalho árduo, mas muito gratificante, e, no curso do qual eu experimentei e aprendi muito.


Você pode nos dizer algo sobre suas características, seus hábitos e sua vida cotidiana?
Kenneth é muito perspicaz ao preservar sua privacidade, tanto quanto possível, então eu só posso falar de forma breve e geral. Ele é um homem de grande integridade e discernimento, e tornou-se cada vez mais recluso ao longo dos anos. Eu não sei muito sobre seus hábitos e sua vida diária.

Em poucas palavras, o que exatamente é a Tradição Tifoniana?
É comunhão com o que alguns têm chamado de "Lá Fora", sejam considerados como os confins do espaço para além do terrestre, ou as varreduras da consciência além da humana. Consciência é um continuum que abarca tudo, alcançando de forma muito mais ampla e profunda do que a consciência humana, que é relativamente superficial e transitória. A Tradição Tifoniana está interessada no encontro e exploração dessas profundezas. Como Crowley comentou em um pós escrito do capítulo 30 de Magick Without Tears:

Eu pensei em um bom plano para colocar minha posição fundamental por si só em um pós-escrito, para enquadrá-la. Minha observação do Universo me convence de que há seres de inteligência e poder de uma qualidade muito maior do que qualquer coisa que podemos conceber como o ser humano, que eles não estão necessariamente baseados nas estruturas cerebrais e nervosas que nós conhecemos, e que somente e única chance para a humanidade avançar como um todo é que os indivíduos façam contato com tais Seres.

Esse é, em minha opinião, um resumo muito bom da situação.

Os verbetes para a Tradição Tifoniana ou Draconiana nos Glossários dos volumes das Trilogias Tifonianas são bastante diversificados. Nenhum deles são definições estritamente falando, mas descrevem as diversas facetas da Tradição. É melhor tomar essas várias facetas e tentar intuir a base a partir das quais elas brotam.

De que forma a Ordem Tifoniana (O.T.) é diferente da O.T.O.?
Nos dias de Crowley a O.T.O. operava em lojas onde as iniciações eram conferidas no curso de cerimônias em grupo, que eram quase-maçônicas em natureza; tanto quanto eu sei, é também o mesmo modelo da moderna O.T.O.. Na Ordem Tifoniana, iniciações surgem no curso do trabalho mágico e da prática mística.
Quanto às semelhanças entre a moderna O.T.O. e a Ordem Tifoniana é que ambas derivam da O.T.O. de Crowley, e ambas têm como objetivo o estabelecimento da Lei de Thelema.


Quantas Lojas ativas da O.T. estão no mundo hoje? Há alguma na Grécia?
Atualmente, a Ordem Tifoniana não está organizada em lojas, mas é composta de membros individuais em vários países ao redor do mundo. Não temos quaisquer membros na Grécia no presente. uma loja em Londres, que atua há muitos anos, e que prossegue o trabalho com Lam em nível de grupo.


Qual você acha que seja o impacto geral de Grant para Thelema?
Nós vamos ser capazes de responder a essa pergunta melhor em 50 anos ou mais. Em minha opinião ele moveu Thelema para além dos limites de um culto de personalidade centrada em torno de Crowley. Quando The Magical Revival foi publicado em 1972, foi refrescante ler algo que não era simplesmente uma repetição de Crowley. Grant tinha feito mais evidente um alcance mais amplo e profundo de Thelema, e suas afinidades com outros trabalhos mágicos e místicos, tão bem como afinidades com atividades que não são consideradas ocultas ou mágicas.
O fundamental para o trabalho de Grant é a não-dualidade, uma percepção que sustenta tradições tais como Advaita, Sunyavada, e etc. Consciência é um continuum, no qual as entidades são agregações transitórias que não têm existências separadas, duradouras, pois elas são como ondas agregações transitórias dentro de um corpo de água. Inspiração e criatividade têm suas origens aqui, no que alguns têm chamado de inconsciente coletivo, e que pode ser considerado imaginação cósmica.
Grant tem em minha opinião desenvolvido o trabalho de Crowley. É tarefa de um sucessor desenvolver o trabalho de seu antecessor. No curso desse desenvolvimento, alguns elementos do trabalho anteriormente exercido são abandonados; inversamente, outras vias de abordagem podem ter sido abertas. Desta forma, existe um corpo vivo de trabalho, perpetuamente reconstruído, que é passado de adepto para adepto.
Não há necessidade de cadeia formal de sucessão para que isso aconteça. Por exemplo, Crowley considerou a si mesmo estar continuando o trabalho de Blavatsky, embora eu duvide que muitos membros da Sociedade Teosófica teriam concordado.
Nem precisa esse re-desenvolvimento ser algo realizado somente por algumas pessoas ilustres. Nós todos nos aproveitamos de uma variedade de fontes e influências, transformando-as através de nossos trabalhos mágicos e místicos. Neste sentido, somos todos os sucessores de Crowley, Grant e Spare – para citar apenas três adeptos do ocultismo ocidental do século XX. Nós desenvolvemos os seus trabalhos e por sua vez os transmitimos aos outros. Trabalhando dentro de uma tradição, não somente extraímos desta tradição, mas contribuímos para ela também.


Alguns dos aspectos mais misteriosos na magia de Crowley são as figuras de LAM e Aiwass. O que você acredita que eles eram, e qual é a interpretação do Sr. Grant?
Existem algumas diferenças entre os dois, em minha opinião. Aiwass transmitiu O Livro da Lei a Crowley, e é minha opinião que a mesma inteligência estava na operação dos Trabalhos de Abuldiz e Amalantrah, havia também alguns trabalhos durante o período de Cefalu. Eu acredito que Aiwass e Inteligências são como que agregações maiores ou mais altas de consciência. O retrato de Lam parece ser uma quintessência do Trabalho de Amalantrah, e em particular do simbolismo do ovo, ao invés de uma Inteligência da ordem de Aiwass.
Por outro lado, acredito que a Inteligência se comunica conosco através de máscaras, e ambos Lam e Aiwass são máscaras.

Sr. Grant escreveu algumas coisas muito interessantes sobre o fenômeno UFO. Ainda assim, se passaram 60 anos desde o primeiro contato de Kenneth A. Arnold, e ainda não temos nenhuma explicação real do que os OVNIs são... Quais são seus pensamentos hoje em dia para este assunto?
Estes não são, provavelmente, visitantes de uma galáxia a quatro bilhões de anos-luz em algum canto, mas intrusões em nossa consciência de outras dimensões de consciência, e nós interpretamos essas intrusões como externa. Eu não tenho discutido isso em qualquer extensão com Kenneth Grant, mas acredito que uma leitura das Trilogias Tifonianas vai levar a uma conclusão similar.


Nos livros de Grant há um monte de YogSogothery”[1]! Qual é a relação da O.T. com o Mito de Cthulhu e Necronomicon atualmente?
A Ordem Tifoniana tem a muitos anos uma filiação formal com a Ordem Esotérica de Dagon. Sim, há um monte de Mito de Cthulhu no trabalho de Grant, mas há um grande mal-entendido sobre isso, muito disto deliberado. Nós não adoramos ou elevamos Cthulhu ou Yog-Sothoth ou qualquer uma das outras divindades do Mito. A posição inicial de Grant, tal como estabelecido no The Magical Revival, era que havia afinidades interessantes entre elementos de trabalho de Crowley e de Lovecraft. Mais tarde, podemos ver as perspectivas em desenvolvimento que essas divindades são máscaras de consciência. Finalmente, Grant expõe a sua compreensão do Mito de Cthulhu em uma passagem em Outer Gateways que vale a pena citar extensamente:
Como outros contos de fases inclassificáveis ​​da história da Terra, o Culto de Cthulhu sintetiza o subconsciente e as forças de fora da consciência terrestre. Pode-se dizer, de passagem, que a verdadeira criatividade só pode ocorrer quando essas forças são chamadas para inundar com a sua luz a rede mágica da mente. Para fins de explicação a mente pode ser vista como dividida em três salas, o edifício que as contém sendo o único princípio real ou permanente. Estas salas são:

1) Subconsciente, o estado de sonho;
2) Consciência Mundana, o estado de vigília;
3) Consciência Transcendental, velada ao não-iniciado pelo estado de sono.

Os compartimentos são também concebidos como sendo conectados com a casa que os contém, por uma série de conduítes ou túneis. A casa representa consciência trans-terrestre. As forças invocadas Cthulhu, Yog-Sothoth, Azathoth, etc – são então entendidas, não como entidades malignas ou destrutivas, mas como as energias dinâmicas de consciência, as funções das quais são para afastar a ilusão da existência separada (as salas de nossa ilustração).

Você acredita que os Grandes Antigos são entidades reais ou algum tipo de arquétipo psicológico?
Eles são arquétipos, mas não no sentido de serem internos, aspectos psicológicos. Eles estão dentro do continuum de consciência e, portanto, nem externo, nem interno.
Lovecraft tinha uma constituição extraordinariamente sensível, e foi capaz de registrar movimentos dentro dessas faixas mais profundas da consciência. A maior parte destes registros foi feita no curso de seus sonhos vívidos, que ele usou como base de suas histórias.


É útil para um magista moderno trabalhar com o atual Necronomicon, ou você acha que é perigoso?
Eu acho que é útil se isso ajudar a lhe trazer a consciência da realidade isto é, o continuum de consciência de que todos nós somos partes transitórias – mas não tão útil se perpetuar à ilusão de existência separada.

É certo que neste momento há mais de 30 versões diferentes (publicadas) do Necronomicon em todo o mundo! Qual deles você acha que é melhor para trabalhos realmente mágicos, e por quê?
Receio que não posso ajudá-lo com isso. Eu li apenas alguns deles. O Necronomicon não me interessa muito, para ser honesto, mas pelo que eu vi as várias versões são tentativas de pastiche, pedaços retirados daqui e dali.

Hoje em dia, a cultura Thelêmica parece estar muito forte e viva. Você acha que as idéias e filosofia de Aleister Crowley são mais necessárias hoje em dia do que antes?
Não, eu não penso assim. Com a diminuição nestes dias dos laços familiares e geográficos, mais pessoas estão se voltando para outros lugares em busca de significado e substância para suas vidas. Eu sinto que os tempos em que vivemos são mais receptivos a Thelema do que nos dias de Crowley, e o crescimento do interesse pelo misticismo Oriental é a vantagem de Thelema.

Thelema é freqüentemente considerada como glorificação da individualidade, sobre a base que “cada homem e cada mulher é uma estrela”, com vista para o fato de que as estrelas são partes integrantes de galáxias e nebulosas, suas órbitas se entrelaçando com as órbitas de outras estrelas. Mais uma vez, alguns podem achar que é paradoxal que Thelema esteja enraizada na tradição da não-dualidade, que tem uma profunda afinidade com o taoísmo.


Você já viajou para Grécia? Qual é a sua opinião sobre o nosso país, a mitologia grega e a nossa tradição mágica?
Eu fui para a Grécia apenas algumas vezes até agora, a caminho e na volta de Israel, em meados dos anos 1970. Ainda este ano, minha esposa e eu vamos viajar para Delfos. A religião Grega não é algo sobre o qual eu saiba muito, além dos Mistérios Eleusinos.

Você acha que há um futuro para o ocultismo ocidental? O que seus representantes modernos tem de fazer para que sobreviva e cresça ainda mais? Como você opera uma Ordem a fim de responder aos desafios do mundo moderno?
Sim, há um futuro para o ocultismo ocidental, e eu acho que o crescente interesse em estudos sobre a consciência vai levar a um maior interesse em Ocultismo em geral. Eu não acho que os seus representantes precisem fazer nada de especial. Eu não acho que existam desafios do mundo moderno para a Ordem Tifoniana; continuaremos com o nosso trabalho mágico e místico e nossos escritos.

Qual é a crença geral dos Britânicos para a magia? Infelizmente, aqui na Grécia todo tipo de magia é automaticamente considerado como Magia Negra e Malefício!
Não há realmente uma crença geral, embora a maioria das pessoas provavelmente seja cética. Dito isto, três dos ocultistas mais proeminentes do século XX – Crowley, Grant e Spare – eram Ingleses, então talvez nós sejamos uma nação excêntrica.

Na sua opinião, qual deve ser o objetivo da magia? Poderia ser a magia tão extravagante como é apresentada nos filmes? São os seus resultados perceptíveis apenas no nível astral ou são, na verdade, um processo psicodinâmico de auto-evolução?
No que diz respeito ao propósito: explorarmos a consciência, tornando-nos conscientes de nossa mais ampla identidade cósmica. Um dos aforismos de Spare diz que um místico é alguém que percebe que há mais deles mesmos do que eles estão conscientes. Eu acho que a magia apresentada em filmes é simplesmente fantasia. Eu gosto da frase “processo psicodinâmico de auto-evolução”, acho que isso seja mais preciso.

Se você pudesse recomendar três livros que constituem leituras essenciais para um iniciante interessado em aprender mais sobre a magia, quais seriam eles e por quê?
The Magical Revival de Kenneth Grant é um excelente levantamento de magia Thelêmica. The Confessions de Aleister Crowley é uma introdução animada e informativa da vida de Crowley e seu trabalho. O terceiro seria provavelmente Little Essays Toward Truth de Crowley. Eu suspeito que nenhum destes sejam realmente para iniciantes, mas acho que você tem que mergulhar a fundo.

Gostaria de partilhar conosco a mais estranha experiência paranormal que você já teve?
Em geral eu não tenho experiências paranormais. Há uma que fixa na minha memória, no entanto. Muitos anos atrás, eu estava realizando o ‘Reguli’ de Crowley ou ‘Ritual da Marca da Besta’ em uma base diária. Houve muitos problemas na minha vida naquele momento, e no fim do período de trabalho diário, havia um monte de caos e violência me seguindo. Um dia, um carro explodiu em chamas quando eu estava atravessando a rua, e havia um forte sentimento de conexão, como um cordão umbilical ao meu plexo solar, eu sabia com certeza absoluta que este incidente estava intimamente ligado com o meu trabalho do ritual.


Você poderia nos dizer algumas palavras sobre a sua vida diária? Como é a vida diária de um magista?
Eu duvido que a minha vida seja muito diferente da de outras pessoas – dormir, comer, beber, socializar com outras pessoas, etc. A única diferença é que eu empreendo práticas mágicas e místicas, talvez esteja mais consciente dos padrões e sincronicidades. É uma questão difícil para eu responder, já que não divido minha vida em mágica e não mágica.
Na minha opinião todos os eventos são cobrados com significado oracular, e tudo o que ocorre é parte de um padrão. Consciência cósmica, a lembrança de identidade cósmica, é sempre apenas um batimento cardíaco distante, nos fez saber disso. Andar em Hampstead Heath, ou alimentar o gato é tão mágico como convocar os servos de Belial.


Você está atualmente preparando algum novo livro? Talvez algumas obras inéditas do Sr. Grant?
Há uma série de novos títulos sendo preparados para publicação pela Starfire Publishing, incluindo obras de Spare, Achad, e um estudo comparativo de Crowley e Gurdjieff. Nós estaremos republicando mais livros da série Trilogias Tifonianas. Já há algum tempo, Kenneth Grant vem trabalhando em uma novela, Monolith: A Further Nightside Narrative, mas eu não sei quando isso vai ser terminado.
Quanto ao meu próprio trabalho está caminhando, recentemente terminei de escrever um ensaio intitulado “Lam and the Typhonian Tradition”, que tem fins suficientemente soltos e áreas de maior desenvolvimento para crescer em um livro em seu próprio direito. Ao longo dos próximos meses, estarei escrevendo material novo para a próxima edição da Starfire, e serão lançadas as bases para trabalhos mais importantes no futuro próximo.
___________________________
NOTA: 
[1] Yog “Sogothery” é uma expressão aplicada pelo entrevistador como que para dizer algo relacionado às teorias de Lovecraft de Yog-Sothoth. Thery não existe em Inglês, mas há uma relação sutil com theOry (teoria), um jogo de palavras. Traduzindo para o nosso idioma seria como Yog-Sogotheria 
___________________________
Esta entrevista foi publicada originalmente na revista Mystery,
Edição 65/Outubro de 2010.

Posteriormente publicada no NecronomiconGnosis, Blog de George Ioannidis - um psicólogo, autor de vários livros de ocultismo (em grego) e editor chefe da revista MYSTERY, uma revista grega mensal dedicada ao paranormal, o oculto e mitologia.

©Tradução de Cláudio César de Carvalho - 2013
©Revisão de Lília Palmeira - 2013


















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...