Kenneth Grant Fala à Skoob


P. Qual é o propósito dos seus livros?
 KG. O objetivo principal é preparar as pessoas para encontros com estados de consciência desconhecidos. 
P: Será que estes incluem encontros extraterrestres?
KG. Sim. Encontros, extra, sub, e ultraterrestre.
P. Você acha que esses eventos são iminentes?
KG. Eles são suscetíveis a qualquer momento, mas seja agora ou em algum período futuro, a sua ocorrência é certa e é necessário estar preparado para esses eventos.
P. Se essas formas de consciência são outras que não terrestres, o que são exatamente?
KG. Tudo o que posso dizer é que haverá contatos extraterrestres, porque de fato já tem ocorrido contatos extraterrestres, mas também haverá outras formas de contato. Mas, embora o homem possa aprender a assimilar contatos extraterrestres, ele pode achar que é impossível lidar com aqueles do Outro Lado.
P. É isso que você quer dizer quando se refere, em seus livros, a parte de trás da "Árvore da Vida"? É isso o Outro Lado?
KG. A 'Árvore' serve como um vasto modelo. O universo conhecido é representado pelo lado de cá da ‘Árvore’, o desconhecido pelo outro lado.
P. E os seus livros oferecem mapas, por assim dizer, do outro lado?
KG. Eles procuram indicar alguns 'portais' através dos quais formas alienígenas de consciência podem se manifestar ao homem, e através dos quais o homem pode ir ao encontro delas.
P. O livro que você está escrevendo agora é intitulado Outer Gateways. Você julga que esses encontros são iminentes porque há um desejo desesperado e mundial que algo, alguém, algures nos ajudará a sair da confusão que fazemos das coisas?
KG. O Homem tem evocado certas energias, e, portanto, certas entidades, a natureza das quais ele é ignorante, e para o confronto com o qual ele é quase totalmente despreparado.
P. Ele os chamou à vida por sua própria loucura?
KG. A ignorância é a culpada principal, mas existem outros. Há uma determinação deliberada e perversa por parte do homem de hoje para acumular bens materiais. completa materialização é desejada e, portanto, um estado de total materialismo domina e condiciona suas atividades. Com motivações exclusivamente materialistas o homem pode destruir a si mesmo, mas porque eles admitem nada além de si mesmo.
P. E ele não está preparado para enfrentar as consequências?
KG. Decididamente não. Sua atitude fechou sua mente para o conhecimento real e destituído do poder de reconhecê-la quando ela se apresenta, como acontece hoje numerosamente, mas de formas estranhas. Se o homem puder sobreviver, ele terá de se preparar para um encontro total consigo mesmo. Mesmo assim, pode ser tarde demais.
P. Quanto tempo é necessário?
KG. Isso depende inteiramente das circunstâncias individuais. O Tempo de Fora não é como o daqui, na verdade, não há tempo lá, onde tudo é eternamente presente. O homem poderia perceber instantaneamente este presente, e esta presença, se ele não fôsse ignorante.
P. Então segue-se que certos indivíduos, talvez aqueles capazes de perceber essa Presença, ficariam imunes à explosão de novas formas ou consciências?
KG. Em certo sentido, isso é verdade.
P. Em um sentido físico?
KG. Nenhuma sobrevivência é possível em um sentido físico. Aqueles que imaginam que há estão se iludindo. 
P. Mas algumas pessoas poderiam sobreviver em algum estado ou outro?
KG. Nos estados em que você alude não há questão de sobrevivência. Vamos dizer que haverá uma transformação. Se o homem é capaz de integrar essas novas experiências em sua psique, ele deve começar AGORA a pensar em termos, pelo menos, da tentativa de um encontro extraterrestre. Se ele faz isso, o resto pode se suceder.
P. Tudo isso sugere OVNIs e outros fenômenos semelhantes. Certamente, se tais graves perigos são iminentes aqueles que têm autoridade tomarão providências para ver que precauções serão tomadas? 
KG. Como eles podem? Além disso, é sabido que alguns governos são considerados responsáveis ​​por subterfúgios e distorções de informações sobre OVNIs. Mas os OVNIs são apenas projeções dentro da esfera terrestre, ocasionalmente registrados pela vigília e o sonho dos seres humanos, e telas de radar, de algo além deles, e aqueles que ‘tem autoridade' nada sabem sobre esse ‘algo’.
P. Seus livros não tratam especificamente de Ufologia. 
KG. Outros estão cuidando desse aspecto da questão, existem literalmente centenas de livros sobre o assunto.
P. Mas eles são confiáveis?
KG. Seus detalhes são controversos e que são essencialmente especulativos, mas o fato de sua existência em abundância sugere que um número crescente de pessoas estão experimentando formas desconhecidas de consciência, ou que estão se tornando conscientes da existência dessas formas.
P. Que nos traz de volta à minha pergunta inicial: O objetivo dos seus livros?
KG. Fornecer conceitos que são essencialmente estranhos de modo que a faculdade da visão intuitiva possa ser despertada e alinhada com tais conceitos estranhos.
P. Será essa a razão para a inclusão em seus livros de sigilos estranhos, símbolos e outré arte?
KG. Neste estágio primitivo da evolução do homem o sentido visual é de extrema importância.
P: Com certeza o som é igualmente importante, ainda que você não palestre.
KG. O som é importante, mas na forma que você mencionou pode ser um obstáculo positivo. Todos os tipos de vibrações conflitantes atingem ao ouvinte se comparados com o silêncio e quietude que atende ao leitor. E o leitor pode voltar a mergulhar à vontade no presente, se necessário.
P. Então a sua atitude negativa para palestras é uma afirmação positiva do poder do silêncio?
KG. A palavra silente ou impressa é mais potente que sua versão falada, exceto em casos muito excepcionais, e atinge aqueles a quem se destina. As pessoas assistem a palestras, por diferentes razões, mas poucos freqüentam para ganhar conhecimento. Elas vão para conhecer pessoas, para passar o tempo, mas raramente são profundamente afetados pela palavra falada, que é rapidamente esquecida. Livros por outro lado tem sido conhecidos por mudar vidas. A minha própria foi modificada pelo Magick de Crowley.
P. Por que abriu uma porta para você?
KG. Precisamente.
P. Mas a Bíblia ou o Corão podem fazer isso.
KG. Certamente, eles podem, eu menciono Crowley porque seu trabalho é mais especialmente relevante para nossa presente discussão.
P. Outros ocultistas tocaram nestas questões? 
KG. O trabalho de Blavatsky está repleto com insights que sugerem que ela estava em contato com alguma fonte de conhecimento ultraterrestre. O Livro de Dzyan, que A Doutrina Secreta é um comentário, contém elementos de contato com Inteligência Exterior.
P. A Bíblia, Blavatsky, Crowley ... Há algum escritor que hoje aborde o assunto de seu ângulo particular?
KG. Não muitos.
P. Por que isso acontece se o assunto é de tanta urgência?
KG. Existem várias razões. O místico, que é provavelmente o mais qualificado, está preocupado essencialmente com a consciência libertadora da ilusão da existência encarnada. O magista, por outro lado, raramente se preocupa com o estado de consciência que não promova seus objetivos pessoais. O místico é pouco preocupado com o ego, o magista é tão inflado que vê pouca coisa! O cientista baseia sua ciência sobre o pressuposto de que o mundo tem uma realidade independente da consciência. Ele, portanto, acha difícil entender o místico ou o magista, que não fazem isto.
P. Portanto, não há um que você possa nomear que escreva inteligentemente sobre o assunto?
KG. Surpreendentemente alguns escritores sobre Ufologia, alguns deles 'contatados', têm fornecido informações valiosas. Aliás, o próprio Crowley poderia ser classificado como um contatado.
P. Ele teve contato com uma Inteligência extraterrestre, daí a Mensagem e a Missão? 
KG. Não necessariamente extraterrestre, mas certamente ultraterrestre. Crowley descreveu como ‘praeter-humana’. A história de O Livro da Lei, tal como consta em seu Confessions revela-o como um dos contatados mais importante de nossa época. Alguns diriam que o mais importante.
P. Mas contatados são considerados de má reputação por causa de suas mensagens conflitantes e declarações bizarras. 
KG. É verdade, mas o desvio global das mensagens é similar na maioria dos casos. Eles tem de permitir o tipo de mentalidade através da qual são canalizadas e pela qual são interpretadas. Muito poucos contatados são versados ​​em magia, misticismo, metafísica e ciência. Uma distinção deve ser feita entre as comunicações de natureza ética geral e os da categoria de Dzyan e O Livro da Lei, ambos os quais contêm informação especializadas e fórmulas.
P. Qual é a mensagem para o não especialista? 
KG. Que é necessária cautela na utilização das tecnologias que o homem está em processo de desenvolvimento. Devido ao crescimento distorcido, o homem da massa sofre graves deficiências morais. É o elemento com defeito moral que ameaça a humanidade com uma catástrofe.
P. O que exatamente é o elemento moral, a que você se refere?
KG. A Vontade. O desenvolvimento da vontade do homem é superior a suas outras faculdades morais. Ele é forte em vontade, mas fraco em espírito.
P. Quer dizer que ele quer coisas e fará de tudo para adquiri-las?
KG. Precisamente. Hitler foi um exemplo extremo, sua vontade era uma força vampírica que cresceu monstruosamente à custa de outras faculdades e estava inflamado ao ponto da loucura por um desejo de poder. Por outro lado, a sua mensagem, sua doutrina, o veículo de sua vontade, era pueril ao ponto da idiotice. O mesmo se aplica a muitos outros assim chamados líderes dos homens.
P. Crowley não estava nessa classe?
KG. A mente de Crowley era lúcida e altamente desenvolvida. Teve a sua vontade equivalente à esta, a doutrina que ele recebeu pode ter ido muito em direção à preparação do homem para lidar com as novas formas de consciência que estão agora começando a se manifestar. Há poucas evidências de que os contatados nos últimos anos tenham qualquer compreensão adequada das mensagens que recebem. O que não está em dúvida é que ninguém tem ainda vontade suficiente e efetivamente para transmiti-las. Crowley, no mínimo, tem proporcionado um sistema coerente.
P. Qual é então a solução?
KG. Não há nenhuma. Agora pode ser tarde demais para pensar em termos de doutrinas. Elas levam tempo para serem absorvidas. Tal como acontece com todas as preocupações de valor ultimal isso cabe ao indivíduo.
P. Uma espécie de "Operação Arca de Noé"? 
KG. Não exatamente. Noé foi capaz de levar muita coisa com ele.
P. Não é bom se você não pode levá-lo com você!
KG. Essa é uma observação profunda. Se as pessoas entendessem isso e agissem de acordo não haveria os problemas que surgem sempre, mesmo aqueles que estamos discutindo.
P. Existe um documento, como o Livro de Dzyan, o Necronomicon, o Livro da Lei, etc, que contém referências mais específicas para os termos que têm vindo a associar-se aos seus próprios livros e da gnose Tifoniana que eles expressam?
KG. A Sabedoria de S'lba é um desses documentos. É apresentada no Outer Gateways, juntamente com uma análise preliminar por meio de um comentário experimental.
P. Como foi obtido a Sabedoria de S'lba, e quando?
KG. Foi ‘destilado’, por um processo prolongado que se estendeu por anos, desde os intensivos Rituais realizados na New Isis Lodge entre 1955-1962. Alguns dados sobre a natureza desses rituais podem ser recolhidos a partir do meu livro, Hecate’s Fountain.
P. ‘S'lba’ contém as chaves que foram em outra parte discutidas em Outer Gateways?
KG. Sim. É o propósito de Outer Gateways fornecer essas chaves, mas a ‘Sabedoria’ deve ser vivida, e não apenas discutida e, de preferência, não discutida em tudo.


Entrevista com Kenneth Grant, primeiramente publicada em SKOOB Occult Review, Londres, 1990. 

©Kenneth Grant, 1990; ©S.V. Grant, 2011
©Tradução de Cláudio César de Carvalho - 2011  












Comentários

Postagens mais visitadas